ESPELHOS, 2021

videopoema//

Dos grãos de areia se fizeram os espelhos da vida, e neles habitam multidões ancestrais. Navego em dimensões onde o tempo se faz labirinto, e onde tudo o que já se viveu retorna em pequenas eternidades. A partir de um poema escrito em espiral, acompanho o trajeto desse arquivo em duas dimensões para o tridimensional de uma impressora 3D, onde os pontos e palavras adquirem profundidades outras no espaço-tempo tido como virtual. Compõe esse trabalho imagens registradas entre Recife, São Paulo e Rio de Janeiro com celular Multilaser, modelo que cujas dimensões de vídeo são de 128 x 160 pixels.

Nesse processo me autoaproprio de antigas imagens de arquivo, assim como de GIF performance feita a partir de  imagem de webcam, assumindo essa conversão e seus rastros pixelados, que se esvaem como grãos de areia do tempo da máquina.

Trabalho comissionado pelo Festival Escuta do Instituto Moreira Salles com curadoria de Lorran Dias (TV CORAGEM). Desdobramento do trabalho "Caminhei em sonho dormido caminhos de imensidão", desenvolvido para o 32º Programa de Exposições do CCSP.